Crônica de Natal

candles-168011_1920

Esse não foi um ano fácil. Nenhum um é para quem tem que decidir qual conta pagar e  qual conta deixar para o próximo mês; para quem vive em um mundo onde pessoas morrem todos os dias de fome, sede, de guerra, enquanto os muito ricos acham que tudo bem, isso não tem nada a ver com eles; para quem tem de sofrer humilhações cotidianas como a de não ter o dinheiro para pagar a passagem do ônibus.

Não parece nada animador escrever isso tudo em uma crônica de Natal, esse dia mágico, aparentemente feliz, aparentemente sem problemas.

Rasa e sem esperanças, essa definitivamente não pode ser uma crônica de Natal.

Nós, os que vivemos fora das telenovelas, os figurantes da vida real, com um tempo passamos a acreditar que na casa onde habita a realidade não pode habitar a esperança. Para nós um acaso que tire de curso um grande cometa  seria de fato o verdadeiro e bom milagre de Natal.

Somos a maioria em quantidade, mesmo assim somos pequenos. Não nos enganemos. Entretanto, pequenos também são os nossos milagres,  pequenas são nossas revoluções.

Nossos pequenos milagres se vestem de vizinhos, os que entendem nossas aporrinhações, nossas dificuldades, pois também são suas, e por isso aceitam olhar nossos filhos enquanto trabalhamos, mesmo não sendo os seus filhos. Se vestem de professoras, cansadas, maltratadas, mas não por isso menos incentivadoras e apoiadores de sonhos infantis, juvenis. Se vestem de mãe, mesmo não sendo perfeitas, dotadas de um amor ou de um extinto responsável por nos fazer perdurar.

Em falar em mãe, penso eu, enquanto as mães não desistirem, e tome aqui mãe não só a pessoa que gera uma outra e sim toda e qualquer pessoa que por vontade ou por destino resolve cuidar de uma outra pessoa por uma vida inteira, haverá chances significativas de instauramos nossas revoluções nesse planeta.

Por todas essas pequenas esperanças continuo acreditando, afinal não é por ser pequenas que elas deixam de ser significativas. Bom natal.

Advertisements